Macau

PESQUISE

a sua viagem

Guia de Viagem

Informações de interesse



O nome histórico de Macau era “Cidade do Santo Nome de Deus de Macau, Não Há Outra Mais Leal”. A segunda metade desta frase (“não há outra mais leal”) foi acrescida ao nome inicial “Cidade do Santo Nome de Deus de Macau” em 1654, devido a uma concessão do rei português D. João IV, como recompensa à lealdade da população da cidade a Portugal durante a União Ibérica. Diz-se que Macau foi o único ponto de todos os territórios portugueses, metropolitanos e ultramarinos, que nunca içou a bandeira espanhola. Além disso, a população de Macau tinha enviado ao rei D.João IV uma oferta de armas e dinheiro como expressão de felicidade sobre a nova independência da Espanha.

História do “Dia de Macau”

(até 1999, era feriado em Macau; hoje em dia, já não se chama “Dia de Macau” em Macau, mas continua viva a memória na comunidade macaense)

“Quando o padre jesuíta Rho disparou um tiro de canhão e acertou com precisão, um vagão carregado de pólvora pertencente às forças invasoras holandesas, no dia 24 de Junho de 1622, Dia de São João Baptista, iniciava-se a história que originou o DIA DE MACAU:

Oitocentos soldados holandeses desembarcaram na praia de Cacilhas, hoje região do reservatório, para tentar tomar Macau. Sessenta europeus e noventa macaenses tiveram que retroceder das areias de Cacilhas diante da sua inferioridade numérica. Os sinos tocavam insistentemente, as senhoras refugiavam-se em São Paulo e os tesouros foram guardados no Seminário. A cidade do Santo Nome de Deus estava desprotegida. A maior parte dos portugueses viajara para o estrangeiro, comum naquela época do ano. Os holandeses, felizmente, não sabiam disso.

Avançando com cautela, sofreram pesado bombardeio de canhões da cidadela do Monte e um tiro disparado pelo padre jesuíta Rho acertou, em cheio, aquele vagão de pólvora. Isto desconcertou as forças invasoras. Dirigiram-se então ao cume a Ermida da Guia onde foram detidos pelas forças lideradas por Rodrigo Ferreira. O golpe final aos holandeses deu-se com a junção de dois grupos de combate de Macau que os atacaram quando se dirigiam a outra elevação. Em debandada, os holandeses ainda foram atacados pela população local. No combate final em Cacilhas, os holandeses, derrotados, jogaram-se ao mar na tentativa de alcançar os barcos. Muitos se afogaram e um dos barcos, superlotado, afundou-se. Dizem os registos portugueses que cerca de 350 holandeses morreram em combate ou afogados. Do nosso lado, os mortos foram 4 portugueses, 2 espanhóis e vários negros, para uma batalha que durou cerca de duas horas.

Para Macau, desprevenida, a vitória foi considerada um milagre. Após os combates, foram todos à Catedral para uma solene acção de graças, tendo o Senado e os moradores feito votos de comemorar este dia daí em diante, cuja salvação da cidade foi atribuída a São João Baptista. Conta a lenda que pelo seu manto, foram desviados os tiros dos inimigos.

24 DE JUNHO - DIA DE MACAU foi assim instituída para comemorar esta gloriosa vitória.”

É uma data histórica, DIA DE SÃO JOÃO BAPTISTA, padroeiro da Cidade de Santo Nome de Deus, Não Houve Outra Mais Leal.

Fontes de consulta: "Macau Histórico" de C.A Montalto de Jesus - Livros do Oriente;

  • Capital: Macau.
  • Língua: oficiais português e o cantonense, apesar do inglês e o mandarim também serem faladas.
  • Religião: Mais comum o budismo e o cristianismo apesar de haver ainda o islamismo e a Fé Bahá.
  • Habitantes: cerca de 552 503 habitantes.
  • Superfície: 30,3 km2
  • Diferença horária: GMT +8
  • Clima: Subtropical húmido. A temperatura média anual é de 22°C, sendo no Verão de 30°C e no Inverno 15°C.
  • Passaporte: Com validade de pelo menos 6 meses após a data de regresso.
  • Vacinas obrigatórias: Nenhuma vacina é obrigatória para entrar no país, apesar de ser aconselhável a TD Pólio, febre tifóide e hepatite A/B.
  • Gorjetas: aceitam-se no comércio.
  • Moeda: Pataca, que vale cerca de 0,1€.
  • Saúde: No verão e épocas de chuva cuidado com os mosquitos, usar repelente. Consumir de preferência alimentos cozidos.
  • Vistos: O visto é obtido, gratuitamente, em qualquer das fronteiras terrestres, marítima ou aérea e tem uma validade de 90 dias.
  • Conselhos: melhor altura para viajar nos meses de março/abril e outubro/novembro. Ano chinês é uma boa altura para visitar o país.
  • Segurança: Cidade bastante segura e muito pacata, mas nas zonas de mais turismo é preciso ter cuidado com roubos de carteiras, máquinas fotográficas, etc.
  • Corrente Elétrica: 220 V.
  • Cultura: A cultura de Macau é muitas vezes caracterizada como um ponto de encontro, da coexistência harmoniosa e de intercâmbio multicultural (principalmente entre a cultura chinesa e a ocidental).
  • Economia: A Economia de Macau é em grande parte baseada no jogo e no turismo. Estas duas actividades económicas contribuíram de modo fulcral para o rápido crescimento que a economia de Macau está a passar actualmente.
  • Embaixada: Embaixada de Portugal em Macau: Rua Pedro Nolasco da Silva 45, Macau (+853 28356660), e-mail geral: macau@mne.pt; Residência Consular: Rua Comendador Kou Ho Neng, 8-10, Macau; Consulado Honorário em Hong Kong: Room B, 25/F YAQRDLEY COMMERCIAL BUILDING 3 Connaught Road West, Sheung Wan, Hong Kong, +852 2587 7182 e-mail: info@hkportugalcon.org.
  • Geografia: A Região Administrativa Especial de Macau situada na costa meridional da República Popular da China, a oeste da foz do Rio das Pérolas.
  • Localização: Localizado a norte da linha do equador que delimita as zonas equatorial e subequatorial norte.